Phil Hellmuth critica uso de máscaras nas mesas de pôquer: Estratégia ou deslealdade?

Phil Hellmuth

Phil Hellmuth expressou sua frustração com Isaac Haxton por usar uma máscara facial durante as mesas de pôquer, argumentando que ninguém deveria cobrir o rosto, exceto em circunstâncias excepcionais. O lendário jogador, vencedor de 17 braceletes da World Series of Poker (WSOP), compartilhou seus pontos de vista em uma entrevista com o jornalista de pôquer Craig Tapscott, da PokerOrg. Hellmuth reiterou sua posição em um retuíte de um vídeo do criador de conteúdo "Casino King", destacando por que ele acredita que as máscaras não têm lugar no pôquer ao vivo.

"NINGUÉM deveria ser capaz de cobrir o rosto, a menos que você use suas próprias mãos para fazê-lo. Isso não é pôquer online. “Tells” são importantes no pôquer ao vivo: é uma habilidade para esconder seus dizeres e outra habilidade para ler seus o oponente diz", escreveu Hellmuth.

As máscaras devem ser permitidas? 

A permissão do uso de máscaras nas mesas de pôquer tem sido objeto de debate, inicialmente centrado na saúde durante os primeiros dias da pandemia de COVID-19. Embora muitas salas de pôquer tenham relaxado as restrições, algumas pessoas continuam a usá-las por razões de saúde. A questão evoluiu para além de uma preocupação puramente sanitária, transformando-se em um ponto de tensão entre visões conservadoras (anti-máscara) e liberais (pró-máscara).

O jogador de pôquer Isaac Haxton, alinhado com a tendência liberal, escolheu continuar usando máscaras nas mesas por motivos de saúde. Após uma vitória significativa no evento US Poker Open em março de 2023, onde embolsou $432.000 com um buy-in de $25.000, ele exibiu orgulhosamente sua máscara na foto da vitória. 

Além disso, Haxton não hesitou em confrontar críticos nas redes sociais, chamando-os de "maiores idiotas do Twitter" e defendendo sua decisão de usar a máscara como uma escolha pessoal e não apenas uma medida de segurança. A controvérsia em torno do uso de máscaras nas mesas de pôquer reflete as divisões mais amplas sobre a questão na sociedade.

Phil Hellmuth explicou a Craig Tapscott que sua objeção ao uso de máscaras nas mesas de pôquer não é uma questão política, mas sim uma preocupação com a possível vantagem que isso pode conferir aos jogadores. Ele descreveu o uso da máscara como uma tática e estratégia que considera prejudicial para o ambiente do pôquer.

Hellmuth reconheceu as habilidades de Isaac Haxton, um dos melhores jogadores do mundo com mais de US$ 47 milhões em prêmios de torneios ao vivo. No entanto, ele enfatizou a necessidade de Haxton remover a máscara branca, alegando que o jogador pode estar usando a máscara para obter uma vantagem competitiva nos torneios de pôquer.

O jogador de 17 braceletes da World Series of Poker (WSOP) argumentou que quando um torneio está nos estágios finais com apenas seis jogadores restantes, a preocupação com o COVID-19 não é mais relevante. Seus comentários geraram um debate acalorado nas redes sociais, com opiniões diversas sobre o assunto.

Entre as respostas, Shaun Deeb criticou os comentários de Hellmuth como uma de suas piores observações e ironicamente sugeriu a proibição de capuzes e óculos de sol. No entanto, uma resposta mais criativa veio de Lewis Spencer, que sugeriu menos pessoas mascaradas e mais pessoas entrando nos torneios vestidas de Poseidon com uma banda marcial durante o dia 2 de um torneio de US$ 100 mil, em uma alusão ao humor e à criatividade dentro da comunidade do pôquer.

Avaliar o material
- material excelente
- material ótimo
- material bom
- material ruim
- material horrível
Tenho trabalhado para trazer o melhor conteúdo para vocês!
Sem comentários
Você será o primeiro a deixar um comentário
Usuários não registrados não podem deixar comentários.
Por favor, usuário ou cadastre-se.